Bravacinas | Vacinação Humana – Itajaí e Brusque – SC
Clínica de Vacinas em Itajaí e Brusque. Vacinação empresarial. Gesto Vacinal. Vacinação em domicílio. Teste do pezinho
Serviços na Clínica, Vacinação, Medicamentos, Rede de Frio, Cadeia de Frio, conservação
15902
home,page,page-id-15902,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,ajax_updown_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-6.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive
banner_nuvens
gripe-fundo
Histórico da
Vacinação online.


Você sabe quais
vacinas precisa tomar?
Cadastre-se e receba
nossa newsletter


BIBLIOTECA

BLOG

  • 2018_67 - BLOG - HPV

    Tudo sobre a vacina do HPV

    O HPV ou  papilomavírus humano, é uma doença sexualmente transmissível (DTS). De difícil cura, o HPV se manifesta através de sintomas como verr...

  • 2018_66 - BLOG - Vacina DTPA

    Vacina dTpa: benefícios para as gestantes

    A vacina dTpa, também conhecida como Tríplice Bacteriana Acelular, previne as doenças Difteria, Tétano e Coqueluche. Indicada principalmente para ...

  • 2018_65 - BLOG - Sarampo PoA -

    Sarampo é registrado em Porto Alegre

    Estamos vivenciando um surto de sarampo no país, com 995 casos notificados (611 no estado do Amazonas, 384 no estado de Roraima). Destes, 114 casos f...

icon-missao

MISSÃO

Soluções inovadoras em promoção da saúde e prevenção de doenças.

icon-visao

VISÃO

Ser destaque em imunização humana, conquistando o público de interesse com qualidade, dedicação e bom atendimento, oferecendo um serviço humano e eficiente.

icon-valores

VALORES

Ética
Segurança
Excelência
Sustentabilidade

Fotos

icon-clinica

Serviços na Clínica

Imunização humana por profissionais treinados em um
ambiente acolhedor especialmente projetado para oferecer
qualidade e segurança na hora da vacinação

VACINAÇÃO
ORIENTAÇÃO PARA VIAJANTES
TESTE DO PEZINHO
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS
EMISSÃO DE CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO
icon-casa

Serviços na sua casa

Vacina em domicílio é um serviço que alia a mais moderna tecnologia em vacinação à pratica de atendimento em sua casa.

VACINAÇÃO
TESTE DO PEZINHO
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS
icon-empresa

Serviços para empresas

Com a Imunização corporativa sua empresa
conta com a agilidade e o apoio técnico e
logístico da Bravacinas

GESTO VACINAL
CAMPANHAS DE VACINAÇÃO
PALESTRAS E CURSOS
VACINAÇÃO CONFORME CALENDÁRIO OCUPACIONAL

DIFERENCIAIS

icon-relogio
Serviço de Vacinação
Ativo 24h/dia
icon-seringa-diferenciais
Procedência
garantida
icon-setas
Agilidade e equipe
técnica qualificada
icon-money
Facilidade de
pagamento
icon-mapa
Atendimento em
todo território nacional
diferenciais-1

Caixas Térmicas
Utilizadas para realizar o transporte das vacinas na vacinação extramuros (empresas, instituições, igrejas, escolas, entre outros).

diferenciais-2

Gerador de Energia Elétrica:
Oferece segurança no armazenamento das vacinas

diferenciais-3

Termômetros 

  • Máxima e mínima: analógico;
  • Máxima e mínima: digital de cabo extensor;
  • Analógico de cabo extensor;
  • Infravermelho;
diferenciais-4

Camâra Fria

  • Solamento das paredes internas do ambiente a ser refrigerado;
  • Compressor e condensador dispostos na área externa à câmara, com boa circulação de ar;
diferenciais-5

Conservadora de Vacinas

Armazena as doses de maneira correta e prolonga a qualidade dos produtos.

flocos
diferenciais-5

Conservadora de Vacinas

Armazena as doses de maneira correta e prolonga a qualidade dos produtos.

diferenciais-6

A Rede de Frio ou Cadeia de Frio é o processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos (vacinas), e deve ter as condições adequadas de refrigeração, desde o laboratório produtor até o momento em que a vacina é administrada. 

diferenciais-7

É necessário, portanto, mantê-los constantemente refrigerados, utilizar instalações e equipamentos adequados. Um manuseio inadequado, um equipamento com defeito, ou falta de energia elétrica podem interromper o processo de refrigeração e comprometer a potência e eficácia dos imunobiológicos.

diferenciais-8

O objetivo final é assegurar que todos os imunobiológicos administrados mantenham suas características iniciais, a fim de conferir imunidade, haja vista que são produtos termo lábeis, isto é, se deterioram depois de determinado tempo quando expostos a variações de temperaturas inadequadas à sua conservação. 

diferenciais-6

A Rede de Frio ou Cadeia de Frio é o processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos (vacinas), e deve ter as condições adequadas de refrigeração, desde o laboratório produtor até o momento em que a vacina é administrada. 

É necessário, portanto, mantê-los constantemente refrigerados, utilizar instalações e equipamentos adequados. Um manuseio inadequado, um equipamento com defeito, ou falta de energia elétrica podem interromper o processo de refrigeração e comprometer a potência e eficácia dos imunobiológicos.

diferenciais-7
diferenciais-8

O objetivo final é assegurar que todos os imunobiológicos administrados mantenham suas características iniciais, a fim de conferir imunidade, haja vista que são produtos termo lábeis, isto é, se deterioram depois de determinado tempo quando expostos a variações de temperaturas inadequadas à sua conservação. 

DÚVIDAS

HPV

O que é o HPV?

O papiloma vírus popularmente conhecido como HVP é um vírus, considerado hoje a principal doença sexualmente transmissível viral.

Como é transmitido?

O simples contato com mucosa infectada, mão, boca ou genitais é o suficiente para o vírus fazer mais uma vítima. O risco de contágio é altíssimo! Em adolescentes esse risco é ainda maior, pois o colo do útero ainda está em formação. Alguns pesquisadores mencionam como forma de transmissão do vírus o compartilhamento de roupas íntimas, toalhas e assentos sanitários.
O preservativo me dá 100% de proteção?
Não. O preservativo não protege 100%, porque não cobre toda região de contato (virilha, região infra-púbica e etc) durante a relação sexual. Lembrando que o preservativo é extremamente importante para a proteção de outras DSTs (doenças sexualmente transmissíveis).

Qual a relação do HPV e o câncer?

O vírus do HVP em mulheres é considerado o maior vilão do câncer de colo do útero, ele está envolvido em boa parte dos casos desse tumor. No homem o vírus é responsável entre outras coisas pelo câncer de: boca, garganta e ânus, além das verrugas genitais.
Quem deve tomar a vacina? Homens e mulheres a partir de 09 anos de idade.

Tenho as verrugas, paro o tratamento porque recebi a vacina? A vacina serve como tratamento?

Não se deve parar o tratamento. A vacina é recomendada, pois é ela quem vai conferir imunidade para você. A infecção viral não vai te dar imunidade contra a doença, o que vai trazer imunidade é a vacina. A vacina não serve como tratamento, a vacina é uma forma de proteção contra infecções futuras (infecção contra sorotipos que estão presentes na composição da vacina).

Quem toma a vacina não precisa mais fazer o exame de papanicolau (preventivo)?

Precisa continuar coletando o exame de papanicolau conforme orientação do seu médico.

SDF

Partogama SDF – Imunoglobulina anti-Rho(D) é usado para prevenir a sensibilização Rho(D) de mães e, como consequência, a doença hemolítica Rho(D) dos recém-nascidos que pode levar a lesão cerebral, cirrose hepática infantil ou hidropsia congênita, muitas vezes conduzindo à morte intra-uterina do feto.

O fundamento do uso de Partogama SDF – Imunoglobulina anti-Rho(D), reside na observação que anticorpos anti-Rho(D) – contidos em Partogama SDF – imunoglobulina anti-Rho(D) – quando entram em contato com hemácias Rho(D)-positivo, se ligam aos pontos da superfície das hemácias onde existem antígenos Rho(D), reduzindo-lhes, drasticamente, a sobrevida e impedindo a formação ativa de anticorpos anti-Rho(D) em indivíduos Rho(D)-negativo. A doença hemolítica do recém-nascido causada pela incompatibilidade Rho(D) se manifesta em cerca de 6% de todos os nascimentos. Usualmente, a produção de anticorpos pela mãe começa após a primeira gravidez, representando assim perigo para a maioria das gestações subsequentes. Na incompatibilidade de grupo sanguíneo ou do fator Rho(D) entre mãe e feto, os eritrócitos fetais podem se infiltrar no organismo da mãe e levar à produção de anticorpos. Esses anticorpos, capazes de atuar contra os eritrócitos fetais, podem retornar ao feto e causar eritroblastose fetal. O mesmo mecanismo de desenvolvimento de anticorpos pode ser disparado pela transfusão ou injeção intramuscular de sangue Rho(D)-incompatível. Cerca de 97% dos casos de eritroblastose fetal são causados por anticorpos maternos anti-Rho(D).

Recomenda-se, pois, que ambos os genitores sejam examinados para seu fator Rho(D) por ocasião da primeira gravidez a fim de determinar uma possível indicação para a administração de Partogama SDF – Imunoglobulina anti-Rho(D), o mais cedo possível, após um aborto ou parto.

Prevenção de imunização Rho em mulheres Rh(D)-negativo:
- Gravidez / parto de criança Rh-positiva, independentemente dos grupos ABO da mãe e da criança.
- Aborto /risco de aborto, gravidez ectópica ou mola hidatiforme.
- Hemorragia transplacentária (HTP) decorrente de hemorragia anteparto (HAP), amniocentese, biópsia coriônica ou procedimento manipulativo obstétrico, p.ex. versão externa ou traumatismo abdominal.
- Transfusão de sangue ou de produtos de sangue Rh-incompatíveis.
- Usado no tratamento de pessoas Rh(D)-negativo após transfusões incompatíveis de sangue ou de concentrado de eritrócitos Rh(D)-positivo.

Profilaxia pré-parto e pós-parto:
1.000 – 1.650 UI, na 28a semana de gravidez; em determinados casos, justifica-se o início da profilaxia com maior antecedência. Se o neonato for D-positivo, deve-se administrar uma dose suplementar de 200 –1.000 – 1.650 UI, dentro de 72 horas do parto.

VACINAS

Sobre Vacinas

Meu filho foi vacinado com dois meses com a primeira dose da vacina tetra (DTP + HIB). Não recebeu as doses seguintes por problemas infecciosos. Agora, com sete meses, bem de saúde, devo voltar a aplicar a primeira dose?

Não, pois não há intervalo máximo entre as doses; ele deve receber agora a segunda dose e, após dois meses, a terceira dose, prosseguindo com o seu programa vacinal conforme o calendário vigente. Como regra, doses de vacinas, mesmo aplicadas há um tempo, devem sempre ser consideradas válidas.

Uma criança de um ano deverá ir a creche dentro de um mês. Tomou todas as vacinas indicadas pelo posto de saúde onde é acompanhada. Além delas, quais outras deve tomar?
Recomenda-se que a criança receba as seguintes vacinas: Varicela e Hepatite A.

Meu filho apresentou coceira no corpo após comer um ovo quente. A coceira durou um dia e melhorou sem medicação. É necessário fazer teste alérgico para ovo antes de administrar a vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (SCR)?
Não é necessário o teste alérgico para o ovo. A alergia cutânea ao ovo não contra indica a aplicação da vacina triviral. A contraindicação somente deve ser feita quando ocorrer anafilaxia (reação grave, imediata, geralmente com choque) com a ingestão do ovo, o que é raro.

Qual a vantagem de se utilizar vacinas combinadas?
As novas vacinas combinadas licenciadas no Brasil são muito seguras, efetivas e causam menor número de eventos adversos que as vacinas habitualmente utilizadas. As vacinas pentavalente e hexavalente, por exemplo, protegem contra várias doenças (difteria, tétano, coqueluche, HIB, poliomielite e mais hepatite B – hexavalente), com os antígenos administrados em uma única aplicação, levando a maior adesão ao calendário vacinal, a menor procura aos serviços de saúde e menor custo relativo.

Meu filho foi vacinado com dois meses com a primeira dose da vacina tetra (DTP + HIB). Não recebeu as doses seguintes por problemas infecciosos. Agora, com sete meses, bem de saúde, devo voltar a aplicar a primeira dose?

Não, pois não há intervalo máximo entre as doses; ele deve receber agora a segunda dose e, após dois meses, a terceira dose, prosseguindo com o seu programa vacinal conforme o calendário vigente. Como regra, doses de vacinas, mesmo aplicadas há um tempo, devem sempre ser consideradas válidas.

Um bebê de 03 meses foi vacinado com a BCG com dois dias de vida, ainda na maternidade. Até agora não apresentou nenhuma reação e não teve cicatriz no braço. Qual a conduta?
A vacina BCG é geralmente acompanhada pelo aparecimento no local da aplicação de mácula com enduração, pústula, úlcera e cicatriz, evolução essa que ocorre em 02 a 05 meses. Em 5% a 10% dos vacinados pode não aparecer cicatriz vacinal e, nestes casos, recomenda-se a revacinação após 06 meses, dispensando-se o teste tuberculínico prévio.

Qual a região anatômica mais adequada para a administração de vacinas intramusculares?
Depende da idade. Nas crianças menores de 18 meses, o lugar mais apropriado é o vasto lateral externo da coxa. Em crianças maiores de 18 meses, a região do músculo deltóide. Para algumas vacinas (hepatite B e raiva), a região glútea é contraindicada por não induzir resposta adequada.

GRIPE

Gripe e resfriado são as mesmas doenças?
Não. A gripe é causada pelo vírus da Influenza e provoca febre alta, dores pelo corpo que, freqüentemente, deixam o indivíduo acamado. A recuperação completa pode durar até uma semana e pode complicar com pneumonia e até matar, em alguns casos. O resfriado é causado por diversos outros tipos de vírus, têm sintomas parecidos, porém muito mais leves, suaves e com menor duração. Ele pode cursar com tosse, dor de garganta, dor no corpo, coriza, etc.

Como a gripe é transmitida?
A gripe é transmitida através de gotículas de secreção veiculadas pela tosse, espirro ou mesmo conversa com alguém infectado. O vírus penetra no organismo através das vias respiratórias. No centro do vírus está o material genético que invade as células, atingindo o núcleo, onde se duplica. Os fragmentos duplicados se apoderam de parte da célula atacada, formando novos vírus, em um processo que se repete milhares de vezes.

A gripe é contagiosa?
A Gripe é altamente contagiosa. Uma única pessoa pode contaminar todos as pessoas que trabalham no mesmo ambiente e que não foram vacinadas.

Qual o período de incubação da doença?
Os vírus da influenza são transmitidos de pessoa a pessoa através da tosse e/ou espirros de um doente. O período de incubação é de 01 a 04 dias, com uma média de 02 dias.

Qual o período de transmissão da gripe?
Os adultos são transmissores da infecção um dia antes da apresentação dos sintomas até aproximadamente 05 dias após o início da doença.

Vacina contra gripe imuniza contra resfriado?
Não. A vacina contra gripe imuniza somente contra as cepas de vírus contidas na vacina e não contra resfriados.

A vacina da gripe funciona? Ela é segura?
Sim, a vacina contra a gripe é bastante eficaz desde que tomada na época adequada e eficaz para os sorotipos que existem na vacina, muito segura sendo usada em todo o mundo.

Antigripal cura a gripe?
Os antigripais não previnem nem curam a gripe. Eles podem, em alguns casos, diminuir a sintomatologia e, em outros casos, não causarem nenhum efeito.

Quais os sorotipos da gripe? Quais as diferenças entre eles?
A gripe é causada pelo vírus influenza, com 03 sorotipos diferentes: A, B e C que são diferentes entre si. Em intervalos regulares aparecem subtipos novos do sorotipo A, que se associam a grandes pandemias. O tipo B associa-se a epidemias regionais e o tipo C não apresenta a importância epidemiológica dos anteriores, porque é responsável apenas por casos isolados ou por pequenos surtos. Os vírus influenza A não só infectam humanos, mas animais como cavalos, baleias, porcos e aves, dificultando seu controle. Os vírus da influenza B e C só afetam humanos.

Quando começa a fazer efeito à vacina contra a gripe? Por quanto tempo dura a imunização pós vacina?
Cerca de 15 dias após a vacinação já começam a surgir os anticorpos que darão a proteção contra a gripe. Como o vírus da gripe sofre mutação a cada ano, o tempo de duração da vacina é de 01 ano.

A vacina contra a gripe pode causar gripe?
Não. A Vacina contra gripe é uma vacina inativada e fracionada, o que significa que os vírus estão mortos e replicados, não podendo se reproduzir dentro do organismo das pessoas vacinadas, o que estimula o organismo a produzir uma resposta imunológica protetora.

Quais as reações mais comuns após a administração da vacina contra influenza/gripe?
Pode surgir uma febrícula (febre baixa) e no local da aplicação ficar quente, vermelho e inchado. Algumas pessoas relatam coceira no local da injeção. Importante ressaltar, que é preciso cuidado para não coçar, nem passar as mãos/unhas sujas (contaminadas), principalmente em se tratando de crianças, para evitar a entrada de microorganismos. Assim como em toda e qualquer vacina NÃO deve fazer: compressas ou passar pomada na região da vacina.

Por que algumas pessoas mesmo com a vacina ficam doentes?
A Vacina contra gripe protege da gripe, porém, não protege dos resfriados e de outras infecções que também ocorrem no inverno e tem sintomatologia semelhante.

Quem pode ser vacinado?
Todas as pessoas a partir de 6 meses de idade já podem ser vacinadas contra a gripe.

Quem regulamenta as cepas presentes na vacina contra a gripe?
A composição da vacina é atualizada a cada ano, de acordo com os vírus circulantes, para garantir a eficácia do produto. A resolução está de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS)para o hemisfério Sul. É proibida a utilização de quaisquer outras cepas de vírus em vacinas contra a gripe.

REDE DE FRIO

Sobre Rede de Frios

A Rede de Frio ou Cadeia de Frio é o processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos, e deve ter as condições adequadas de refrigeração, desde o laboratório produtor até o momento em que a vacina é administrada.

O objetivo final da Rede de Frio é assegurar que todos os imunobiológicos administrados mantenham suas características iniciais, a fim de conferir imunidade, haja vista que são produtos termolábeis, isto é, se deterioram depois de determinado tempo quando expostos a variações de temperaturas inadequadas à sua conservação. O calor acelera a inativação dos componentes imunogênicos.

É necessário, portanto, mantê-los constantemente refrigerados, utilizando instalações e equipamentos adequados. Um manuseio inadequado, um equipamento com defeito, ou falta de energia elétrica podem interromper o processo de refrigeração, comprometendo a potência e eficácia dos imunobiológicos.

Equipamentos da rede de frios

Câmaras Frigoríficas
Também denominadas quartos frios ou câmaras frias, são ambientes especialmente projetados para a armazenagem de produtos predominantemente em baixas temperaturas e em grandes volumes. Podem ser reguladas para trabalhar mantendo as mais diversas temperaturas, tanto positivas quanto negativas. Especificamente para os imunobiológicos, essas câmaras são projetadas para operarem em temperatura de +2ºC e -20°C, de acordo com a especificação do produtor. Os imunobiológicos podem em algum momento estar conservados em temperatura entre +2° e +8°C, sem perda da sua capacidade imunogênica, observada a data de validade especificada no produto.

O seu funcionamento de uma maneira geral obedece aos princípios básicos de refrigeração, além de princípios específicos, tais como:
• isolamento das paredes internas do ambiente a ser refrigerado;
• sistema de ventilação no interior da câmara, para facilitar a distribuição do ar frio pelo evaporador;
• compressor e condensador dispostos na área externa à câmara, com boa circulação de ar;
• antecâmara, com temperatura de +4°C, objetivando auxiliar o isolamento do ambiente e prevenir a ocorrência de choque térmico aos imunobiológicos;
• alarmes de baixa e alta temperatura para alertar a ocorrência de falta de energia elétrica;
• alarme audiovisual indicador de abertura de porta;
• dois sistemas independentes de refrigeração instalados: um em uso e outro em reserva, para eventual defeito do outro;
• sistema de alarme com registrador de temperatura (termógrafo), registrador de umidade (higrômetro).

 

Alarme de temperatura com discador telefônico para câmaras, geladeiras e freezers
Este equipamento é composto por um discador telefônico, uma bateria e um ou mais sensores de temperatura (termostatos), que são ligados em paralelo ao equipamento. É ainda capacitado para efetuar três ligações a três diferentes telefones, quando a temperatura de algum dos equipamentos estiver fora da faixa permitida.

 

Este equipamento dispõe de um sistema de alimentação de dupla voltagem (selecionável) que faz a recarga da bateria, de tal forma que, em caso de corte no fornecimento de energia elétrica, o sistema continuará operando com a alimentação de 12 volts DC proveniente das baterias.

icon-duvida

DÚVIDAS

HPV

O que é o HPV?

O papiloma vírus popularmente conhecido como HVP é um vírus, considerado hoje a principal doença sexualmente transmissível viral.

Como é transmitido?

O simples contato com mucosa infectada, mão, boca ou genitais é o suficiente para o vírus fazer mais uma vítima. O risco de contágio é altíssimo! Em adolescentes esse risco é ainda maior, pois o colo do útero ainda está em formação. Alguns pesquisadores mencionam como forma de transmissão do vírus o compartilhamento de roupas íntimas, toalhas e assentos sanitários.
O preservativo me dá 100% de proteção?
Não. O preservativo não protege 100%, porque não cobre toda região de contato (virilha, região infra-púbica e etc) durante a relação sexual. Lembrando que o preservativo é extremamente importante para a proteção de outras DSTs (doenças sexualmente transmissíveis).

Qual a relação do HPV e o câncer?

O vírus do HVP em mulheres é considerado o maior vilão do câncer de colo do útero, ele está envolvido em boa parte dos casos desse tumor. No homem o vírus é responsável entre outras coisas pelo câncer de: boca, garganta e ânus, além das verrugas genitais.
Quem deve tomar a vacina? Homens e mulheres a partir de 09 anos de idade.

Tenho as verrugas, paro o tratamento porque recebi a vacina? A vacina serve como tratamento?

Não se deve parar o tratamento. A vacina é recomendada, pois é ela quem vai conferir imunidade para você. A infecção viral não vai te dar imunidade contra a doença, o que vai trazer imunidade é a vacina. A vacina não serve como tratamento, a vacina é uma forma de proteção contra infecções futuras (infecção contra sorotipos que estão presentes na composição da vacina).

Quem toma a vacina não precisa mais fazer o exame de papanicolau (preventivo)?

Precisa continuar coletando o exame de papanicolau conforme orientação do seu médico.

SDF

Partogama SDF – Imunoglobulina anti-Rho(D) é usado para prevenir a sensibilização Rho(D) de mães e, como consequência, a doença hemolítica Rho(D) dos recém-nascidos que pode levar a lesão cerebral, cirrose hepática infantil ou hidropsia congênita, muitas vezes conduzindo à morte intra-uterina do feto.

O fundamento do uso de Partogama SDF – Imunoglobulina anti-Rho(D), reside na observação que anticorpos anti-Rho(D) – contidos em Partogama SDF – imunoglobulina anti-Rho(D) – quando entram em contato com hemácias Rho(D)-positivo, se ligam aos pontos da superfície das hemácias onde existem antígenos Rho(D), reduzindo-lhes, drasticamente, a sobrevida e impedindo a formação ativa de anticorpos anti-Rho(D) em indivíduos Rho(D)-negativo. A doença hemolítica do recém-nascido causada pela incompatibilidade Rho(D) se manifesta em cerca de 6% de todos os nascimentos. Usualmente, a produção de anticorpos pela mãe começa após a primeira gravidez, representando assim perigo para a maioria das gestações subsequentes. Na incompatibilidade de grupo sanguíneo ou do fator Rho(D) entre mãe e feto, os eritrócitos fetais podem se infiltrar no organismo da mãe e levar à produção de anticorpos. Esses anticorpos, capazes de atuar contra os eritrócitos fetais, podem retornar ao feto e causar eritroblastose fetal. O mesmo mecanismo de desenvolvimento de anticorpos pode ser disparado pela transfusão ou injeção intramuscular de sangue Rho(D)-incompatível. Cerca de 97% dos casos de eritroblastose fetal são causados por anticorpos maternos anti-Rho(D).

Recomenda-se, pois, que ambos os genitores sejam examinados para seu fator Rho(D) por ocasião da primeira gravidez a fim de determinar uma possível indicação para a administração de Partogama SDF – Imunoglobulina anti-Rho(D), o mais cedo possível, após um aborto ou parto.

Prevenção de imunização Rho em mulheres Rh(D)-negativo:
- Gravidez / parto de criança Rh-positiva, independentemente dos grupos ABO da mãe e da criança.
- Aborto /risco de aborto, gravidez ectópica ou mola hidatiforme.
- Hemorragia transplacentária (HTP) decorrente de hemorragia anteparto (HAP), amniocentese, biópsia coriônica ou procedimento manipulativo obstétrico, p.ex. versão externa ou traumatismo abdominal.
- Transfusão de sangue ou de produtos de sangue Rh-incompatíveis.
- Usado no tratamento de pessoas Rh(D)-negativo após transfusões incompatíveis de sangue ou de concentrado de eritrócitos Rh(D)-positivo.

Profilaxia pré-parto e pós-parto:
1.000 – 1.650 UI, na 28a semana de gravidez; em determinados casos, justifica-se o início da profilaxia com maior antecedência. Se o neonato for D-positivo, deve-se administrar uma dose suplementar de 200 –1.000 – 1.650 UI, dentro de 72 horas do parto.

VACINAS

Sobre Vacinas

Meu filho foi vacinado com dois meses com a primeira dose da vacina tetra (DTP + HIB). Não recebeu as doses seguintes por problemas infecciosos. Agora, com sete meses, bem de saúde, devo voltar a aplicar a primeira dose?

Não, pois não há intervalo máximo entre as doses; ele deve receber agora a segunda dose e, após dois meses, a terceira dose, prosseguindo com o seu programa vacinal conforme o calendário vigente. Como regra, doses de vacinas, mesmo aplicadas há um tempo, devem sempre ser consideradas válidas.

Uma criança de um ano deverá ir a creche dentro de um mês. Tomou todas as vacinas indicadas pelo posto de saúde onde é acompanhada. Além delas, quais outras deve tomar?
Recomenda-se que a criança receba as seguintes vacinas: Varicela e Hepatite A.

Meu filho apresentou coceira no corpo após comer um ovo quente. A coceira durou um dia e melhorou sem medicação. É necessário fazer teste alérgico para ovo antes de administrar a vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (SCR)?
Não é necessário o teste alérgico para o ovo. A alergia cutânea ao ovo não contra indica a aplicação da vacina triviral. A contraindicação somente deve ser feita quando ocorrer anafilaxia (reação grave, imediata, geralmente com choque) com a ingestão do ovo, o que é raro.

Qual a vantagem de se utilizar vacinas combinadas?
As novas vacinas combinadas licenciadas no Brasil são muito seguras, efetivas e causam menor número de eventos adversos que as vacinas habitualmente utilizadas. As vacinas pentavalente e hexavalente, por exemplo, protegem contra várias doenças (difteria, tétano, coqueluche, HIB, poliomielite e mais hepatite B – hexavalente), com os antígenos administrados em uma única aplicação, levando a maior adesão ao calendário vacinal, a menor procura aos serviços de saúde e menor custo relativo.

Meu filho foi vacinado com dois meses com a primeira dose da vacina tetra (DTP + HIB). Não recebeu as doses seguintes por problemas infecciosos. Agora, com sete meses, bem de saúde, devo voltar a aplicar a primeira dose?

Não, pois não há intervalo máximo entre as doses; ele deve receber agora a segunda dose e, após dois meses, a terceira dose, prosseguindo com o seu programa vacinal conforme o calendário vigente. Como regra, doses de vacinas, mesmo aplicadas há um tempo, devem sempre ser consideradas válidas.

Um bebê de 03 meses foi vacinado com a BCG com dois dias de vida, ainda na maternidade. Até agora não apresentou nenhuma reação e não teve cicatriz no braço. Qual a conduta?
A vacina BCG é geralmente acompanhada pelo aparecimento no local da aplicação de mácula com enduração, pústula, úlcera e cicatriz, evolução essa que ocorre em 02 a 05 meses. Em 5% a 10% dos vacinados pode não aparecer cicatriz vacinal e, nestes casos, recomenda-se a revacinação após 06 meses, dispensando-se o teste tuberculínico prévio.

Qual a região anatômica mais adequada para a administração de vacinas intramusculares?
Depende da idade. Nas crianças menores de 18 meses, o lugar mais apropriado é o vasto lateral externo da coxa. Em crianças maiores de 18 meses, a região do músculo deltóide. Para algumas vacinas (hepatite B e raiva), a região glútea é contraindicada por não induzir resposta adequada.

GRIPE

Gripe e resfriado são as mesmas doenças?
Não. A gripe é causada pelo vírus da Influenza e provoca febre alta, dores pelo corpo que, freqüentemente, deixam o indivíduo acamado. A recuperação completa pode durar até uma semana e pode complicar com pneumonia e até matar, em alguns casos. O resfriado é causado por diversos outros tipos de vírus, têm sintomas parecidos, porém muito mais leves, suaves e com menor duração. Ele pode cursar com tosse, dor de garganta, dor no corpo, coriza, etc.

Como a gripe é transmitida?
A gripe é transmitida através de gotículas de secreção veiculadas pela tosse, espirro ou mesmo conversa com alguém infectado. O vírus penetra no organismo através das vias respiratórias. No centro do vírus está o material genético que invade as células, atingindo o núcleo, onde se duplica. Os fragmentos duplicados se apoderam de parte da célula atacada, formando novos vírus, em um processo que se repete milhares de vezes.

A gripe é contagiosa?
A Gripe é altamente contagiosa. Uma única pessoa pode contaminar todos as pessoas que trabalham no mesmo ambiente e que não foram vacinadas.

Qual o período de incubação da doença?
Os vírus da influenza são transmitidos de pessoa a pessoa através da tosse e/ou espirros de um doente. O período de incubação é de 01 a 04 dias, com uma média de 02 dias.

Qual o período de transmissão da gripe?
Os adultos são transmissores da infecção um dia antes da apresentação dos sintomas até aproximadamente 05 dias após o início da doença.

Vacina contra gripe imuniza contra resfriado?
Não. A vacina contra gripe imuniza somente contra as cepas de vírus contidas na vacina e não contra resfriados.

A vacina da gripe funciona? Ela é segura?
Sim, a vacina contra a gripe é bastante eficaz desde que tomada na época adequada e eficaz para os sorotipos que existem na vacina, muito segura sendo usada em todo o mundo.

Antigripal cura a gripe?
Os antigripais não previnem nem curam a gripe. Eles podem, em alguns casos, diminuir a sintomatologia e, em outros casos, não causarem nenhum efeito.

Quais os sorotipos da gripe? Quais as diferenças entre eles?
A gripe é causada pelo vírus influenza, com 03 sorotipos diferentes: A, B e C que são diferentes entre si. Em intervalos regulares aparecem subtipos novos do sorotipo A, que se associam a grandes pandemias. O tipo B associa-se a epidemias regionais e o tipo C não apresenta a importância epidemiológica dos anteriores, porque é responsável apenas por casos isolados ou por pequenos surtos. Os vírus influenza A não só infectam humanos, mas animais como cavalos, baleias, porcos e aves, dificultando seu controle. Os vírus da influenza B e C só afetam humanos.

Quando começa a fazer efeito à vacina contra a gripe? Por quanto tempo dura a imunização pós vacina?
Cerca de 15 dias após a vacinação já começam a surgir os anticorpos que darão a proteção contra a gripe. Como o vírus da gripe sofre mutação a cada ano, o tempo de duração da vacina é de 01 ano.

A vacina contra a gripe pode causar gripe?
Não. A Vacina contra gripe é uma vacina inativada e fracionada, o que significa que os vírus estão mortos e replicados, não podendo se reproduzir dentro do organismo das pessoas vacinadas, o que estimula o organismo a produzir uma resposta imunológica protetora.

Quais as reações mais comuns após a administração da vacina contra influenza/gripe?
Pode surgir uma febrícula (febre baixa) e no local da aplicação ficar quente, vermelho e inchado. Algumas pessoas relatam coceira no local da injeção. Importante ressaltar, que é preciso cuidado para não coçar, nem passar as mãos/unhas sujas (contaminadas), principalmente em se tratando de crianças, para evitar a entrada de microorganismos. Assim como em toda e qualquer vacina NÃO deve fazer: compressas ou passar pomada na região da vacina.

Por que algumas pessoas mesmo com a vacina ficam doentes?
A Vacina contra gripe protege da gripe, porém, não protege dos resfriados e de outras infecções que também ocorrem no inverno e tem sintomatologia semelhante.

Quem pode ser vacinado?
Todas as pessoas a partir de 6 meses de idade já podem ser vacinadas contra a gripe.

Quem regulamenta as cepas presentes na vacina contra a gripe?
A composição da vacina é atualizada a cada ano, de acordo com os vírus circulantes, para garantir a eficácia do produto. A resolução está de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS)para o hemisfério Sul. É proibida a utilização de quaisquer outras cepas de vírus em vacinas contra a gripe.

REDE DE FRIOS

Sobre Rede de Frios

A Rede de Frio ou Cadeia de Frio é o processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos, e deve ter as condições adequadas de refrigeração, desde o laboratório produtor até o momento em que a vacina é administrada.

O objetivo final da Rede de Frio é assegurar que todos os imunobiológicos administrados mantenham suas características iniciais, a fim de conferir imunidade, haja vista que são produtos termolábeis, isto é, se deterioram depois de determinado tempo quando expostos a variações de temperaturas inadequadas à sua conservação. O calor acelera a inativação dos componentes imunogênicos.

É necessário, portanto, mantê-los constantemente refrigerados, utilizando instalações e equipamentos adequados. Um manuseio inadequado, um equipamento com defeito, ou falta de energia elétrica podem interromper o processo de refrigeração, comprometendo a potência e eficácia dos imunobiológicos.

Equipamentos da rede de frios

Câmaras Frigoríficas
Também denominadas quartos frios ou câmaras frias, são ambientes especialmente projetados para a armazenagem de produtos predominantemente em baixas temperaturas e em grandes volumes. Podem ser reguladas para trabalhar mantendo as mais diversas temperaturas, tanto positivas quanto negativas. Especificamente para os imunobiológicos, essas câmaras são projetadas para operarem em temperatura de +2ºC e -20°C, de acordo com a especificação do produtor. Os imunobiológicos podem em algum momento estar conservados em temperatura entre +2° e +8°C, sem perda da sua capacidade imunogênica, observada a data de validade especificada no produto.

O seu funcionamento de uma maneira geral obedece aos princípios básicos de refrigeração, além de princípios específicos, tais como:
• isolamento das paredes internas do ambiente a ser refrigerado;
• sistema de ventilação no interior da câmara, para facilitar a distribuição do ar frio pelo evaporador;
• compressor e condensador dispostos na área externa à câmara, com boa circulação de ar;
• antecâmara, com temperatura de +4°C, objetivando auxiliar o isolamento do ambiente e prevenir a ocorrência de choque térmico aos imunobiológicos;
• alarmes de baixa e alta temperatura para alertar a ocorrência de falta de energia elétrica;
• alarme audiovisual indicador de abertura de porta;
• dois sistemas independentes de refrigeração instalados: um em uso e outro em reserva, para eventual defeito do outro;
• sistema de alarme com registrador de temperatura (termógrafo), registrador de umidade (higrômetro).

 

Alarme de temperatura com discador telefônico para câmaras, geladeiras e freezers
Este equipamento é composto por um discador telefônico, uma bateria e um ou mais sensores de temperatura (termostatos), que são ligados em paralelo ao equipamento. É ainda capacitado para efetuar três ligações a três diferentes telefones, quando a temperatura de algum dos equipamentos estiver fora da faixa permitida.

 

Este equipamento dispõe de um sistema de alimentação de dupla voltagem (selecionável) que faz a recarga da bateria, de tal forma que, em caso de corte no fornecimento de energia elétrica, o sistema continuará operando com a alimentação de 12 volts DC proveniente das baterias.

icon-duvida